Agentes penitenciários deflagram greve por tempo indeterminado

Por: Francisca Pinto

Com a greve, as transferências de detentos estarão suspensas e as visitas aos presos, tanto a íntima quanto a de advogados estarão paralisadas.

Agentes penitenciários deflagram greve por tempo indeterminado Greve dos agentes penitenciários/Foto: sinpoljuspi

Na manhã desta segunda-feira (11), os agentes penitenciários do Piauí deflagram greve. A categoria passou mais de um mês em indicativo de greve e reivindica reajuste salarial, melhores condições de trabalho no sistema prisional, a convocação dos concursados e denunciam sobrecarga de trabalho, entre outras.

De açodo com o diretor de assuntos sindicais do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Piauí (Sinpoljuspi), Jefferson Dias, a classe necessita de 2 mil agentes.“As reivindicações são reajuste salarial, superlotação, pedimos que o governo faça mais presídios, chame os concursados e realize mais concurso, pois nós precisamos de cerca de 2 mil agentes  e o governo fez um concurso pra 150 pessoas, além disso, o melhoramento das condições de trabalho, reforma nas unidades”, disse.

Segundo informações do sindicato, o número de presos cresceu bastante no estado neste ano, portanto para cada cinco presos do sistema prisional tem um agente penitenciário.

Jefferson Dias ainda afirmou que a greve é por tempo indeterminado e em nenhum momento o governo entrar em contato com a classe. “Há mais de dois meses estamos entrando em contato com o governo, colocando ofícios e o governo não responde e quando a gente faz a greve o governo diz que só conversa quando suspende a greve, mas porque ele não conversa antes, ele teve oportunidade para impedir a greve. Esta greve é por tempo indeterminado”, explicou.

Com a greve, as transferências de detentos estarão suspensas e as visitas aos presos, tanto a íntima quanto a de advogados estarão paralisadas. As atividades básicas dentro dos presídios como banho de sol, encaminhamento para atendimentos de urgência e emergência e alimentação serão mantidas. A classe aguarda o governo para conversar sobre as reivindicações.

 

 

 

Sidebar Informações