Serra foi beneficiado por caixa 2 em conta na Suíça, diz Odebrecht

Por: Ana Paula Lima

Executivos da Odebrecht disseram ter operado R$ 23 milhões em propina para conta do ministro na Suíça.

Serra foi beneficiado por caixa 2 em conta na Suíça, diz Odebrecht Ministro José Serra (PSDB)

Os desdobramentos da Operação Lava Jato continuam a revelar nomes de políticos envolvidos com o maior escândalo de corrupção no Brasil, dessa vez, o ministro das relações exteriores, José Serra (PSDB) foi citado por dois executivos da Odebrecht, através de delação premiada com a Procuradoria Geral da República em Brasília.

De acordo com as declarações, dois nomes seriam os responsáveis em operar R$ 23 milhões repassados pela empreiteira através de caixa dois para a campanha presidencial de José Serra em 2010. A empresa afirmou também que parte do dinheiro foi transferida por meio de uma conta na Suíça.

De acordo com os executivos da Odebrecht, o acerto do recurso foi repassado pelo ex-deputado federal Ronaldo Cezar Coelho (ex- PSDB e hoje PSD), que era um dos integrantes da coordenação política da campanha de Serra na eleição de 2010. Ainda de acordo com os relatos, foi negociado com o também ex-deputado federal, Márcio Fortes (PSDB - RJ), próximo a Serra.

Um dos executivos é Pedro Novis, presidente do conglomerado de 2002 a 2009 e atual membro do conselho administrativo da holding Odebrecht S.A e o outro é o diretor Carlos Armando Paschoal, conhecido como CAP, que atuava no contato juntos a políticos de São Paulo e na negociação de doações para campanhas eleitorais. Os dois integram o grupo de 80 funcionários da Odebrecht que negociam a delação.

Foi a primeira vez que o nome de José Serra foi mencionado na investigação que apura esquema de desvios de recursos na Petrobrás.

A Odebrecht promete ainda, entregar aos investigadores os comprovantes de depósitos feitos na conta no exterior e também no Brasil. De acordo com informações do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) a empreiteira fez doação de R$ 2,4 milhões para o Comitê Financeiro Nacional da campanha do PSDB à Presidência da República.

Os executivos disseram ainda que o valor do caixa dois foi acertado com a direção nacional do PSDB e que o foi distribuído parte dos R$ 23 milhões a outras candidaturas.

Pedro Novis e José Serra são amigos de longa data. Em documentos internos da empreiteira, o termo “vizinho” está relacionado a Serra, porque ele já teria sido vizinho do executivo. Em algumas ocasiões o tucano era identificado como “careca”.

Os depoimentos dos funcionários da Odebrecht começarão após a assinatura dos acordos de delação. Depois de finalizados, o material será encaminhado ao relator da Lava Jato no STF, o ministro Teori Zavascki, para homologação.

Com informações da Folha de SP

 

 

Tópico: Lava Jato

Sidebar Informações