MPE mantém condenação de Edilson Capote e Manin Rego

Continuam inelegíveis por oito anos, de acordo com parecer de julho de 2019

MPE mantém condenação de Edilson Capote e Manin Rego Manin Rego, Edilson Capote e Nize Rego/Foto: reprodução

 

O Ministério Público Eleitoral rejeitou todos os recursos do Ex-Prefeito Edilson Capote, já condenado em primeira instância por diversos crimes eleitorais no pleito de 2016. Além do ex-prefeito tiveram participação ativa nos crimes, sua irmã Ivanilda Sérvulo de Sousa, o também ex-prefeito Francisco das Chagas Rego Damasceno, o Manin Rego e a ex-chefe de gabinete Jeane Maria Rodrigues Castelo Branco, a Jette. Agora o caso caminha para a condenação em segunda instância.

 

Polícia apreende documentos na casa de "Jette", no dia das eleições 2016

 

CASO LAVA JETTE

Jette é o apelido de Jeane Maria Rodrigues Castelo Branco, ex-chefe de gabinete do ex-prefeito condenado. A polícia apreendeu documentos e provas dos crimes eleitorais na residência de Jette em 2 de outubro de 2016, dia das eleições. Na casa de Jette foram encontradas anotações com nomes de pessoas que receberam dinheiro, inicialmente os valores chegam a quase 7 mil reais. 

 

QUARTEL GENERAL DA COMPRA DE VOTOS

Funcionava em quarto de hotel, lá o dinheiro corria solto. O também ex-prefeito Manin Rego distribui valores que variam entre 200 e 1.000 reais. Até conta de energia foi paga em troca de votos. Toda essa operação de compra de votos beneficiou o ex-prefeito, então candidato à reeleição, Edilson Capote.

 

SEQUÊNCIA DE CRIMES

De acordo com o Ministério Público do estado, MPE, caixa 2, valores não declarados à Justiça Eleitoral de no mínimo 180 mil reais, outros 50 mil reais foram transferidos para a conta bancária da empresa do ex-prefeito Edilson Capote às vésperas da eleição de 2016, além de grande quantia de dinheiro e cheques apreendidos na casa da ex-chefe de gabinete do ex-prefeito.

 

QUEM PERDEU FOI BARRAS

Obras inacabadas, rombo na Prefeitura, dívidas astronômicas com fornecedores, prestação de contas irregular, dificuldade de captar recursos. Esse é o cenário caótico deixado pelo ex-prefeito, Edilson Sérvulo, o Capote e seu grupo político. No final quem mais perdeu foi o cidadão que trabalha honestamente e merece serviços públicos eficientes.

 

CONDENADO NAS URNAS

Mesmo com a compra de votos, uso de caixa 2 e abuso do poder econômico, Edilson Capote foi derrotado nas eleições. E pelo andar da carruagem não será candidato em 2020, assim como os demais envolvidos no caso Lava Jette.

 

Confira decisão completa nas imagens.

 

 

Sidebar Informações